2021-04-21

Entre o Fantasma e o Cadáver – apontamentos sobre a investigação em artesdigitais

Defendo, no campo da investigação em artes digitais, que se procure um conhecimento holístico em que a ciência, a filosofia e as artes partilhem o mesmo plano, como discursos fundacionais de igual valor. Pois nada impede que ser e conheça a importância do diálogo, possível e necessário, entre ciência e arte;entre o discurso e a vida; entre a ordem e o caos. E dialogar é um exercício perigoso,que implica desde a aceitação total do discurso do outro (o que oculta perversamente as diferenças) ao risco de provocar uma série de mal-entendidos.
A crença neopositivista na unidade da ciência há muito que perdeu o seu lugar. Não faz sentido continuarmos a aprisionar a investigação em artes, mesmo em artes digitais, numa gramática científica. Nem toda investigação produz um output científico, mas toda e qualquer investigação deve produzir um output de conhecimento. Qualquer tipo de conhecimento. Desde que a base desta investigação esteja bem assente no rigor, que não é premissa apenas das ciências, ena genuína necessidade de construir um diálogo profícuo e constante que não exclui as diferenças, os erros, os ruídos e que, acima de tudo, não tenta, inutilmente,organizar o caos. Mas procura, sabiamente, negociar com ele.


Biografia de Mirian Tavares

Professora Associada da Universidade do Algarve. Com formação académica em Ciências da Comunicação, Semiótica e Estudos Culturais (doutorou-se em Comunicação e Cultura Contemporâneas, na Universidade Federal da Bahia), tem desenvolvido o seu trabalho de investigação e de produção teórica em domínios relacionados com as Artes e Tecnologias, bem como nas áreas de estética fílmica e artística.

Como professora da Universidade do Algarve, participou na elaboração do projeto de licenciatura em Artes Visuais, do mestrado e doutoramento em Comunicação, Cultura e Artes e do doutoramento em Média-Arte Digital. Atualmente é Coordenadora do CIAC e Diretora do Doutoramento em Média-Arte Digital.

CV no cienciavitae.


Voltar